top of page
bewave.perfil.png

be wave.

. um blog para a cultura .

"bulabulay mun?" é um regresso ao passado que acredita no futuro

encerrar o guidance de pé, com uma sala cheia, a lembrar o passado, a juntar o tradicional e o contemporâneo, a voz e o corpo. "bulabulay mun?" recua a 1874, mas é mais presente do que imaginamos.


© paulo pacheco

os tjimur dance theatre reconstroem uma batalha histórica numa peça que, antes mesmo de começar, nos pergunta como estamos ("bulabulay mun?" significa "como estás?"). só por aí, acho, podemos acreditar numa esperança. uma esperança que se reflete, claramente, na música final, quando as vozes dos bailarinos se juntam.


mas, e começando pelo início... que significado terão as linhas vermelhas à volta de uma bailarina deitada no chão? uma imagem fria. pode ser o sangue da guerra. podem ser as histórias de quem pela guerra passou.


em 1874, as forças japonesas atacaram as comunidades indígenas no sul de taiwan devido ao incidente da baía de ba yao. foi o primeiro ataque militar japonês a um país estrangeiro desde a restauração meiji e a primeira guerra que envolveu forças estrangeiras na história contemporânea de taiwan. baru madiljin nunca teve contacto com a guerra e, por isso, confessou na conversa final com o público, aceitou com algum medo o convite feito pelo governo do condado de pingtung para criar esta peça. acrescentou que o trabalho de pesquisa foi bastante e houve muito trabalho conjunto com os bailarinos.


experienciaram coisas como dançar junto ao mar e com o vento. e nota-se, em palco, que esse trabalho foi feito. nada é feito só porque sim, nem são movimentos aleatórios. percebe-se a força de cada movimento.


poderão ou não ter sido as barreiras culturais e linguísticas os problemas que levaram a esta guerra. para a maior parte das pessoas com quem falaram foi "um problema de comunicação", disseram lembrando que não queriam deixar o presente e as tradições para trás e focar única e exclusivamente num facto histórico.


"bulabulay mun?" é feito de repetições - que mostram os rituais e a passagem de tempo -, de sons - do mar, da voz -, de culturas - espelhadas nas cores das roupas -, de figuras estáticas e movimentos - de subidas e descidas ao objeto de madeira que às vezes parece ser um barco -. é um bocadinho de esperança na humanidade e talvez ajude a ter a certeza que podemos juntos ser mais.


© paulo pacheco

Comments


bottom of page